Cofundador da Apple acredita que no futuro o Brasil pode ser um líder tecnológico

Steve Wozniak, cofundador da Apple, afirmou durante um evento sobre inovação para executivos, promovido pela empresa de segurança Symantec, em São Paulo, que acredita que o Brasil tem potencial para assumir um posto de liderança tecnológica global. Segundo Wozniak, para isso acontecer os empreendedores e investidores precisam se mover rapidamente.

Quando foi questionado sobre a importância do estímulo estatal no surgimento de uma indústria inovadora como a do Vale do Silício, Wozniak lembrou que foram indivíduos, e não o governo americano, que deram início à cultura do Vale, principalmente com o surgimento da indústria dos transistores e chips numa área relativamente pequena da Califórnia. Nesse caso, ele lembra, o papel do governo foi apenas no consumo da tecnologia, que era cara e inacessível a indivíduos na época.

Wozniak também tentou desmistificar a imagem do empreendedor que larga tudo para perseguir seu sonho. "Um jovem pode precisar de um emprego no início, para pagar por um apartamento, e usar seu tempo livre em projetos paralelos. É importante usar essa energia da juventude, talvez sair menos para festas e se dedicar", disse Wozniak.

Ele fez questão de lembrar diversas vezes que foi ele, sozinho, que projetou e construiu o Apple II, o primeiro grande sucesso da Apple e ao qual se referiu como o "iPhone 6 da época". Segundo Wozniak, o papel de Steve Jobs nessa época foi de "embalar e vender o produto", além de administrar a Apple depois que houve a primeira grande infusão de dinheiro.

O engenheiro, que atualmente trabalha como consultor e palestrante, lembrou de Jobs como uma figura que desejava, desde o começo, assumir a liderança no desenvolvimento tecnológico mundial.

FONTE: INFO

COMENTÁRIOS