As recentes estratégias da Microsoft para a Windows Store mostram que Gabe Newell tinha razão em se preocupar


Como muitos de vocês já devem saber, a Microsoft está determinada em intensificar ainda mais a união das plataformas Windows 10 e Xbox One, e no meio de tudo isso, está a Windows Store, que deve ser o carro-chefe nos planos da companhia. Isso é algo que Gabe Newell, o co-fundador da Valve, já vinha temendo. Embora não haja nada de errado em ter jogos universais que rodem no W10 e XOne, para os desenvolvedores, ficar preso na loja da empresa é realmente um problema.

Acontece que a Microsoft está usando seu dinheiro e seus acordos de exclusividade para manter certos jogos apenas disponíveis na Windows Store, bloqueando o Steam no processo. Atualmente, pode não existir muitos títulos na lista da companhia, mas você pode ter certeza que com o tempo a empresa vai buscar mais ofertas exclusivas para o Windows 10, como é o caso de Quantum Break, como destaca o site Ars Technica:

"Infelizmente para Spencer [líder da divisão Xbox na Microsoft], não só existe o PC como plataforma de jogos vista com pouca melhoria da Microsoft — DirectX 12 — mas uma one-platform-fits-all [a Plataforma Universal do Windows] da empresa simplesmente não vai decolar no PC. A comunidade PC tem suas próprias regras e expectativas. Forçar um console com restrições a um grupo que valoriza a liberdade nunca ia acabar bem. E agora, com essas pessoas encurraladas em um canto com Quantum Break — um dos jogos mais aguardados deste ano — a reação negativa só vai aumentar".

Ao contrário da Windows Store, o Steam está disponível nos três principais sistemas operacionais. É gratuito para se inscrever e usar, sem a necessidade de pagar uma taxa mensal, por exemplo. Além disso, os desenvolvedores podem publicar seus jogos no Steam, bem como em qualquer outra loja. Você começa comprando apenas uma vez e pode jogar em qualquer plataforma onde o título é suportado, e assim por diante. O Steam, nesses casos, é o menor dos males.

Tim Sweeney, co-fundador da Epic Games, alerta sobre o ecossistema fechado de jogos da Microsoft

Diante disso tudo, será que o senhor Gabe Newell estava certo em afirma que o Linux é o futuro dos games para PC, isso por conta da liberdade encontrada na plataforma, tanto para os usuários quanto para os desenvolvedores? Qual é a sua opinião sobre tudo isso? Deixe-nos saber saber!


FONTE: GamingOnLinux | Ars Technica

COMENTÁRIOS