Mad Max já está disponível para Linux e SteamOS; o jogo pode rodar bem em placas AMD


Prepare a máquina: assim como foi prometido, a Feral Interactive acaba de lançar hoje, 20 de outubro, Mad Max para Linux e SteamOS. O jogo, que é desenvolvido pelo Avalanche Studios e publicado pela Warner Bros, agora faz parte da biblioteca de jogos AAA para o sistema do pinguim que, se comparado com os de outras plataformas, pode até ser pequeno, porém, é de qualidade, já que conta com títulos aclamados pelos jogadores.

Este também é o segundo jogo no catálogo da Warner Bros que faz sua estréia na plataforma Linux, sendo o primeiro Dying Light. Confira no vídeo abaixo o game rodando no sistema do pinguim e tire suas conclusões:



Os requisitos mínimos de Mad Max para a plataforma Linux são:
  • Processador: Intel i5 ou AMD FX8350 64-bits @ 3.4 GHz
  • Memória RAM: 8 GB
  • Placa de vídeo: NVIDIA GeForce GTX 660 Ti (2 GB de VRAM)
  • Driver de vídeo: 367.35
Os requisitos recomendados de Mad Max para a plataforma Linux são:
  • Processador: Intel i7 64-bits @ 3.6 GHz
  • Memória RAM: 16 GB
  • Placa de vídeo: NVIDIA GeForce GTX 970 (2 GB de VRAM)
  • Driver de vídeo: 367.35
Curiosamente, a Feral Interactive apenas cita placas da NVIDIA como gráficos oficialmente suportados, mas já há relatos de jogadores que conseguiram rodar o game sem muitos problemas em suas GPUs da AMD.

Segundo o site Phoronix, Mad Max consegue rodar bem em 1080p numa Radeon RX 480 com o driver open source, porém, com o Linux Kernel 4.8 e a última versão de desenvolvimento da biblioteca de gráficos 3D Mesa. A boa notícia é que a Feral está trabalhando junto com os desenvolvedores Mesa, o que significa que, no futuro, produtos da AMD poderão ser também oficialmente suportados, bem como os gráficos integrados da Intel.

Atualmente, Mad Max está disponível no Steam por R$ 72,99


FONTE: GamingOnLinux | Phoronix

COMENTÁRIOS