F1 2017 roda perfeitamente bem com placa de vídeo AMD no Linux


Nós últimos tempos, os drivers open source para as placas de vídeo da AMD na plataforma Linux tem evoluído bastante, principalmente o RADV, o driver responsável por lidar com a Vulkan ao usar uma GPU do lado "vermelho da força" no sistema do pinguim. Um prova disso é que o pessoal do site GamingOnLinux conseguiu rodar F1 2017 perfeitamente bem com a Radeon RX 580, juntamente com a biblioteca de gráficos 3D Mesa 17.2.4.

Além da Asus ROG Strix RX 580 com 8 GB de VRAM, a máquina utilizada nos testes possui também um processador AMD Ryzen R7 1700 rodando a 3.7GHz e 16 GB de memória RAM. Todos os benchmarks foram realizados na distro Linux Antergos, que é baseada no Arch Linux, usando o Linux Kernel 4.13.9 e Mesa 17.2.4.

É importante ressaltar que o modo de alto desempenho da CPU estava ativado, conforme recomendado pela Feral Interactive. Iremos falar sobre isso um pouco mais abaixo. Ainda, segundo o site GamingOnLinux, os testes foram limitados "a resolução de 1080p sem anti-aliasing e filtro anisotrópico. Os resultados foram adquiridos usando o benchmark integrado do jogo com as configurações padrões". Confira abaixo o gráfico dos benchmarks:


Como você pode ver, os resultados do Ultra Low até o Medium mudam um pouco, mas a diferença não é particularmente grande. A maior queda de desempenho surge ao mudar as configurações de gráficos do jogo de High para Ultra, onde o framerate mínimo caiu abaixo de 60 FPS pela primeira vez. No entanto, o game manteve um framerate médio de cerca de 60 FPS e, de acordo com o site, o título ainda era totalmente jogável mesmo no Ultra.

Esses resultados nos mostram também que, além de F1 2017 rodar perfeitamente bem com placas de vídeo AMD no Linux, a Feral Interactive poderia ter muito bem colocado a Radeon RX 580 como uma placa de vídeo recomendada ao lado da GeForce GTX 1070.

O uso da CPU

Nos testes, foram monitorados também o uso da CPU com o modo de alto desempenho da CPU ativado e desativado. A configuração de gráficos Ultra Low foi usada aqui para enfatizar a carga na CPU. A diferença era a seguinte:


Como você pode ver, ativar o modo de alto desempenho da CPU resultou em um aumento da performance do jogo. O framerate mínimo melhorou de 70 FPS para 78 FPS e as médias subiram de 93 FPS para 101 FPS. Embora esses números possam ser um pouco insignificantes em uma tela de 60Hz, eles serão bastante visíveis em monitores de alta taxa de atualização e, além disso, darão um pouco de espaço livre adicional para possíveis quedas de framerate.

Contudo, é importante ressaltar que o game foi totalmente jogável mesmo com o modo de alto desempenho da CPU desativado. Por isso, se você realmente achar esse detalhe não muito importante, você pode ignorá-lo com segurança e ainda obter uma experiência de jogo decente.

Mas, caso você queira ativar o modo de alto desempenho da sua CPU para que F1 2017 e muitos outros jogos Vulkan possam usar melhor o seu processador, execute o comando abaixo:

sudo echo performance | sudo tee /sys/devices/system/cpu/cpu*/cpufreq/scaling_governor

Para voltar ao modo de "economia de energia", basta executar:

sudo echo powersave | sudo tee /sys/devices/system/cpu/cpu*/cpufreq/scaling_governor

Não há suporte para GPUs AMD mais antigas

Como F1 2017 possui suporte apenas para a API Vulkan no Linux, placas de vídeo GCN de primeira geração da AMD não conseguirão rodar o jogo, como é o caso da Radeon R7 370 que, apesar de ser da série 300, na verdade, trata-se de uma rebrand da R9 270, que por sua vez era uma rebrand da HD 7850. Por padrão, essas placas não possuem um driver Vulkan no Linux em funcionamento, uma vez que o AMDGPU é necessário para que o RADV funcione.

O site GamingOnLinux utilizou a Radeon R7 370, ativando manualmente o suporte do driver open source AMDGPU para placas GCN 1.0, para ver como o jogo se comportava, mas quando foi iniciado o benchmark, surgiu a seguinte mensagem:


Então, podemos concluir que o suporte para GPUs GCN 1.0 no AMDGPU ainda está em um estado experimental que o game F1 2017 se recusa a funcionar corretamente. Contudo, caso a Feral Interactive adicione o suporte ao OpenGL para o título no futuro, é bem provável que os jogadores que possuem uma GPU AMD "mais antiga" possam curtir também o game sem muitos problemas.

F1 2017 é um dos melhores ports para Linux

Portanto, em todos os casos, se você tiver uma máquina que caiba dentro das especificações recomendadas do sistema, F1 2017 rodará perfeitamente bem, até mesmo, na Radeon RX 580, sendo que, no mínimo, o jogador deve possuir uma R9 285 (ou Geforce GTX 680). Não é a toa que F1 2017 está sendo considerado um dos melhores ports para Linux já lançados até o momento.


FONTE: GamingOnLinux

Comentários