Como a Red Hat está melhorando a vida útil da bateria no Linux


Há quem diga que a vida útil da bateria no Linux é um ponto fraco. Não é absolutamente terrível, mas também não é algo fantástico. Se você também não anda muito satisfeito com o sistema do pinguim neste cenário, ficamos felizes em compartilhar com você que a Red Hat (sim, ela novamente) está trabalhando para tentar melhorar a vida da bateria no Linux, começando, é claro, com o Fedora.

Felizmente, ao contrário do Windows e do macOS, o Linux é o Linux; podemos nos aprofundar no sistema e ajustar as configurações e os parâmetros do kernel, trocar ambientes gráficos pesados ​​para os mais leves e assim por diante. No entanto, a necessidade de realizar essas alterações apenas para que uma distribuição Linux deixe de sugar a eficiência energética "out of the box" pode afastar novos usuários, por exemplo.

Mas, de acordo com uma palestra apresentada pela Red Hat na conferência FOSDEM 2018, intitulada "Melhorando a Vida da Bateria do Laptop Linux Reduzindo o Consumo de Energia do Linux", a empresa está empenhada em mudar este cenário e destacou quatro ajustes de gerenciamento de energia que melhoram drasticamente a vida da bateria no Fedora:
  • Ativação automática de suspensão para USB Bluetooth
  • Ativando a suspensão automática para codecs Intel HDA
  • Ativando o link SATA PM por padrão
  • Ativando o i915 Panel Self Refresh por padrão
A empresa revelou que, em seus testes com essas configurações, o consumo de energia ocioso do Fedora em um laptop Lenovo ThinkPad T440s caiu 2 watts, ou seja, de ~7.9 Watts para ~5.6 watts. Pode não parecer muito, mas equivale a um aumento da vida útil da bateria de quase 30% — o que é enorme!

Ainda, segundo a empresa, o próximo Fedora 28 já contará com esses ajustes por padrão para o benefício da vida útil da bateria. Com isso, os usuários não precisarão instalar aplicativos extras, como PowerTop ou TLP, que quando mau configurados, podem causar problemas.

Todas as lições aprendidas com a Red Hat podem ser aplicadas e implementadas por outras distros Linux também. Confira no vídeo abaixo a apresentação realizada pela empresa na FOSDEM 2018:




FONTE: OMG! Ubuntu!

Comentários