Lançado o Firefox 63 com melhorias para o recurso de alternar entre abas e para Web Extensions


Foi lançada hoje, 23 de outubro, mais uma nova versão do navegador Mozilla Firefox, que chega trazendo mais melhorias e correções para aprimorar ainda mais a experiência do usuário ao navegar na web. Entre os destaques, está o suporte para executar Web Extensions (anteriormente conhecidas como add-ons) em seus próprios processos no Linux. O browser já executa “extensões fora do processo principal” em suas versões para Windows e macOS.

Embora em grande parte seja uma mudança técnica, o suporte para executar Web Extensions fora do processo principal do navegador deve levar a alguns benefícios de desempenho tangíveis e ajudar a melhorar a segurança e a estabilidade geral do browser. Em outras palavras, caso ocorra algum problema em um determinado complemento, as abas do navegador em execução não devem ser prejudicadas.

A nova versão do Firefox também conta com melhorias para o alternador de abas (use o atalho de teclado Ctrl + Tab), que agora exibe miniaturas de visualizações de cada guia aberta por padrão para novos perfis. Os usuários já existentes podem optar por ativar o recurso nas configurações do navegador.

Além de parecer um pouco mais imersivo, o alternador de abas agora percorre as guias abertas na ordem de "recentemente aberto", com a página aberta recentemente sendo a primeira na qual ele tenta alternar.

O Mozilla Firefox 63 também faz uma série de remoções, como é o caso do recurso "Abrir na Barra Lateral" para marcadores individuais na Biblioteca, que desapareceu, assim como a opção de "nunca verificar atualizações". Naturalmente, existe também muitas outras mudanças para desenvolvedores da Web e suporte para novos recursos CSS e HTML5.

Como obter o Firefox 63

A nova versão do navegador deve estar disponível muito em breve nos repositórios de software da sua distribuição Linux favorita. De qualquer forma, é possível fazer download do browser diretamente do site oficial do desenvolvedor, clicando aqui.


FONTE: OMG! Ubuntu! | Mozilla

Comentários