Com a Microsoft planejando usar o Chromium como base do Edge, o navegador pode vir para o Linux?


Confirmando rumores que surgiram recentemente sobre o assunto, a Microsoft anunciou hoje, 6 de dezembro, que está reconstruindo seu navegador Edge no topo do projeto open source Chromium, no qual é baseado os browsers Google Chrome, Opera e Vivaldi, bem como aplicativos de desktop famosos como o Spotify e frameworks de software cross-platform, como o Electron.

"Nos últimos anos, a Microsoft aumentou significativamente a participação na comunidade de software livre (OSS), tornando-se um dos maiores apoiadores do mundo de projetos OSS. Hoje, estamos anunciando que pretendemos adotar o projeto de código aberto Chromium no desenvolvimento do Microsoft Edge para desktop para criar uma melhor compatibilidade da Web para nossos clientes e menos fragmentação da Web para todos os desenvolvedores da Web", diz a Microsoft em seu anúncio oficial.

A versão do Edge baseada no Chromium só deve chegar no próximo ano, mas a Microsoft já anunciou que pretende contribuir ativamente com o projeto de código aberto, como melhorar o suporte para a arquitetura ARM, além de adicionar otimizações de hardware específica pra o Windows 10, melhor suporte a comandos por toque e maior acessibilidade à web.

Embora seja uma grande tarefa, a empresa afirma que os usuários não verão grandes mudanças na aparência e comportamento do navegador (mais melhor estabilidade, suporte para mais experiências na web e assim por diante). Uma versão preview do novo browser está prevista para lançamento no início de 2019.

Vale lembrar que a versão do Microsoft Edge para o Android já é baseada no Chromium.

Podemos ver o Microsoft Edge no Linux?

Em seu anúncio oficial, a Microsoft diz que também planeja trazer o Edge para "outras plataformas", incluindo o macOS. Nos dispositivos da Apple, seria a primeira vez que um navegador da empresa é executado na plataforma desde 2003. Mas e o Linux?

Embora a Microsoft, a menos por enquanto, não mencione o Linux como uma das plataformas que serão suportadas, a mudança para o Chromium abre a possibilidade do navegador também estar disponível para uso no sistema do pinguim.

O Chromium, Blink e tecnologias relacionadas suportam o Linux muito bem (Chromium, Google Chrome, Chrome OS - todos funcionam no Linux, são desenvolvidos no Linux ou dependem do Linux de alguma forma), então não é algo impossível de se acontecer.

O único questionamento a se fazer agora é: se o Edge estivesse disponível para Linux, você o usaria?


FONTE: OMG! Ubuntu!

Comentários