''Somos uma empresa open source'', garante a Microsoft durante o Red Hat Forum 2019


Enquanto nos últimos tempos a Microsoft vem investindo pesado no mundo open source, a citação “Linux é um câncer”, de Steve Ballmer, ex-CEO da empresa, ocasionalmente continua martelando na cabeça de algumas pessoas, especialmente de clientes que não tem necessariamente certeza de que a gigante do software sediada em Redmond, que se expande em direção ao código aberto, é o caminho certo a seguir.

No comando de Satya Nadella, a Microsoft, por outro lado, tenta em todas as ocasiões convencer a todos que ama o Linux e um desses momentos ocorreu no início desta semana, no Red Hat Forum 2019 em Melbourne, a capital costeira do estado de Victoria, no sudeste da Austrália. O CTO da Microsoft Austrália, Lee HIckin, subiu ao palco e a primeira coisa que ele disse foi sobre a declaração controversa feita pelo ex-CEO de sua companhia em 2002.

"Reconheço a ironia da Microsoft aqui em um evento da comunidade open source. Estou realmente orgulhoso de fazer isso e me sinto privilegiado por podermos estar no palco com a Red Hat para compartilhar nossa história", disse HIckin.

Uma empresa open source

Como antes, Hickin insistiu que a Microsoft é uma empresa diferente agora e a estratégia de longo prazo está apostando muito no código aberto, não como concorrente, mas como um parceiro, com a empresa estando totalmente comprometida com o open source.

“Digo isso com a mão no coração de uma maneira muito séria: somos uma empresa open source, estamos comprometidos com o código aberto, estamos comprometidos com a Red Hat e estamos comprometidos em continuar nosso envolvimento e nosso apoio para uma ampla comunidade open source por meio de uma variedade de tecnologias, das quais GitHub é uma delas.”

A Microsoft está realmente apostando muito no mundo Linux e a prova viva são seus esforços para reunir o conceito de código aberto e o Windows. O Windows 10 agora é fornecido com o Windows Subsystem for Linux, uma plataforma que já atingiu sua segunda geração e permite que os usuários executem o Linux no Windows 10, com várias grandes empresas apoiando o projeto, incluindo a Canonical.

A companhia também garante que investir em outros produtos, como o Azure, e trabalhar em conjunto com parceiros de código aberto é uma prova viva de que atualmente não se trata apenas do Windows.

“Nós não somos a empresa proprietária do Windows; nós somos a nuvem de código aberto que possui uma gama de serviços em várias ferramentas e tecnologias”, afirmou Hickin. "O Azure é uma plataforma open source."


FONTE: SoftpediaZDNet
Tags :
Comentários