Distribuições Linux modernas já devem estar prontas para os novos AMD Ryzen 5000



A última quinta-feira (8) foi, no mínimo, muito interessante para os amantes de hardware, com a AMD apresentando oficialmente seus novos processadores com microarquitetura Zen 3, ou seja, os AMD Ryzen 5000, que chegam com o pé na porta, especialmente quando o assunto são jogos. Mas, para os usuários Linux, isso não é tudo. Acontece que as distribuições Linux modernas já podem ser usadas com as mais novas CPUs da empresa.

Em versões anteriores do kernel Linux, pudemos ver a adição de novos IDs e outras mudanças relacionadas aos CPUs da "Family 19h", como a preparação para arquivos maiores de microcódigo. Além disso, como não há expectativa da chegada de novos chipsets específicos para poder usar os processadores Zen 3, não deve existir problemas no suporte ao Linux no dia do lançamento. Mas nem tudo está resolvido ainda.

"Santa temperatura e consumo de energia"

O suporte aprimorado para monitoramento de temperatura para os AMD Ryzen 5000 só deve chegar com o Linux Kernel 5.10, que não estará tão estável até o final do ano. Contudo, diferente do que aconteceu em lançamentos anteriores, onde a comunidade trabalhou no recurso só após a chega de CPUs no mercado, desta vez, a funcionalidade é uma contribuição por parte dos engenheiros da AMD.

Há também o conjunto de patches "RAPL PowerCap" para as CPUs Zen 3, que ainda não foram colocados na fila para serem implementados no kernel Linux para o suporte aprimorado de monitoramento e controle de energia. Mas, em termos de funcionalidade principal, tudo deve estar funcionando, com recursos envolvendo o consumo de energia e monitoramento de temperatura, novamente, atrasados para o Linux.

O suporte para compiladores deve melhorar no futuro

A única área ainda não abordada para suportar as novas CPUs Zen 3 está no lado dos compiladores. A AMD ainda não forneceu quaisquer patches públicos para proporcionar melhor suporte para os compiladores GCC ou LLVM Clang com seus novos processadores. Isso ainda não foi publicado, pois ao que parece a empresa ainda não quer revelar todas as suas novas extensões de conjunto de instruções, embora a Intel muitas vezes revele isso muitos meses ou anos antes de qualquer lançamento para garantir um bom suporte aos compiladores assim que suas CPUs cheguem no mercado.

O suporte aprimorado nos compiladores GCC ou LLVM Clang para os novos AMD Ryzen 5000 muito provavelmente não aparecerá até o GCC 11, que deve chegar em março ou abril, ou até o LLVM Clang 12, que também deve ter seu lançado próximo ao mês de março do próximo ano. Para você ter uma ideia do quanto isso pode demorar, o GCC 11 só estará disponível, por exemplo, a partir do Ubuntu 21.10, com lançamento marcado para outubro de 2021.

Contudo, isso não deve ser um problema para os jogadores Linux, bem como para a maiorias dos usuários de desktop Linux que geralmente não costumam compilar pacotes, com a maioria das distribuições Linux modernas e amigáveis ao usuário final já suprindo esta e outras necessidades que o usuário possa ter.


FONTE: Phoronix
Tags :
Comentários