AMD:


No próximo ano, é esperado que o tão aguardado suporte open source para o FreeSync 2, da AMD, esteja disponível no Linux com GPUs Radeon. Inicialmente pensava-se que o próximo Linux Kernel 4.20 (que possivelmente pode chegar com versão 5.0) já traria pelo menos o suporte inicial para a tecnologia, porém, agora que seu ciclo de desenvolvimento foi inciado por conta do lançamento do Linux Kernel 4.19, já se sabe que isso não deve acontecer.

Os drivers open source do Linux que lidam com as placas de vídeo Radeon ganharão muito em breve o tão aguardado suporte ao FreeSync. Foi só no mês passado que a AMD começou a publicar novos patches do FreeSync para o Linux. Parte do motivo pelo qual demorou tanto foi para chegar a um consenso com os desenvolvedores de drivers da Intel e outras partes interessadas que querem se beneficiar do recurso, podendo também optar por implementar esse suporte da mesma forma.

Na semana passada, alguns usuários com placas de vídeo da AMD se depararam com uma regressão que foi causada pela adição de uma mudança, que aumenta os valores de clock da GPU, no driver de DRM AMDGPU do Linux Kernel 4.18. O problema causou um grande aumento no consumo de energia quando o sistema operacional estava ocioso.

A pilha de código de exibição "AMDGPU DC", anteriormente conhecida como DAL, já foi implementada no kernel Linux há algum tempo e atualmente possui suporte mais adequado para modelos de placas de vídeo mais novos da AMD. No entanto, isso pode mudar agora graças a um conjunto de 13 patches para adicionar o suporte para GPUs GCN 1.0 "Southern Islands".

Um conjunto de cinco patches foi publicado neste domingo (30) por Rex Zhu, desenvolvedor na AMD, para o driver de DRM (Direct Rendering Manager) AMDGPU para permitir que as configurações de controle de fans de placas de vídeo Radeon sejam exibidas e alteradas manualmente pelos usuários através da interface sysfs na plataforma Linux.

No início deste mês, a AMD anunciou novos patches para o DRM (Direct Rendering Manager) do kernel Linux para suportar o FreeSync, Adaptive-Sync e HDMI Variable Refresh Rate com os drivers open source na plataforma Linux, algo que atualmente só é possível com o driver AMDGPU-PRO, que possui suporte oficial apenas para versões muito específicas do Ubuntu e de algumas outras distribuições Linux.

A última sexta-feira (14) foi muito movimentada para a equipe de desenvolvedores open source da AMD que, além de lançar novas versões dos drivers xf86-video-amdgpu e xf86-video-ati, que chegaram a versão 18.1, e o ROCm 1.9, seu último conjunto de mudanças de recursos também foi submetido para implementação no Linux Kernel 4.20 (ou 5.0). Esta certamente será outra versão do kernel interessante para os usuários Linux que possuem placas Radeon.

Embora a pilha gráfica open source da AMD para a plataforma Linux tenha estado particularmente bem nos últimos dois anos, uma das áreas que deixou os jogadores Linux do lado "vermelho da força" insatisfeitos é a falta de suporte ao FreeSync (ou DisplayPort Adaptive-Sync e HDMI Variable Refresh Rate) ao usar os drivers open source. Felizmente, parece que isso pode estar mudando em breve com o novo conjunto de patches em análise.

A AMD fez nesta quinta-feira (6) alguns anúncios de processadores que não estão mais sob embargo. O primeiro deles é o AMD Athlon 200GE, que oferece dois núcleos e quatro threads (SMT) a 3.2 GHz com gráficos Vega 3 e TDP de 35 Watt, o que faz dele uma APU mais que recomendada para uso cotidiano doméstico, chegando pelo valor sugerido de US$ 55.

É indiscutivelmente um pouco atrasado, mas agora estão disponíveis novos patches que pretendem otimizar o driver open source RadeonSI Gallium3D para os processadores AMD Ryzen. O que esse conjunto de correções faz com o código do driver, presente na pilha gráfica Mesa lidando com o OpenGL, é otimizá-lo para a arquitetura AMD Zen com seus vários CCX (CPU Complex).

Um dos desenvolvedores da Valve trabalhando nos drivers de GPUs para Linux, chamado Timothy Arceri, passou muito tempo nos últimos meses melhorando o suporte ao perfil de compatibilidade para o OpenGL do RadeonSI Gallium3D, driver OpenGL que lida com placas de vídeo da AMD na plataforma Linux e presente na pilha de gráficos Mesa. Agora, há patches que o adequam ao suporte de contexto do perfil principal.

A AMD lançou na última sexta-feira (17) uma nova versão do seu driver de vídeo para a plataforma Linux, o Radeon Software for Linux 18.30 (antes conhecido como AMDGPU-PRO), para as GPUs Radeon. Entre as novidades, está o suporte oficial para as recém-anunciadas AMD Radeon PRO WX 8200 e a implementação inicial de recursos semelhantes aos oferecidos pelo Radeon WattMan, o utilitário de gerenciamento de energia da AMD.

A AMD anunciou a segunda geração do Ryzen Threadripper, bem como mais informações sobre as datas de lançamento. De acordo com a empresa, todos os novos processadores são construídos na arquitetura Zen+ de 12nm, com frequências mais altas de operação, latências menores das memórias e com suporte para as placas-mãe X399 existentes, embora você provavelmente precise de uma atualização do BIOS.

Com o próximo lançamento do Linux Kernel 4.18, que deve acontecer em agosto, já estará garantido o suporte ao driver de kernel AMDGPU para a GPU Vega 20, o próximo chip gráfico da AMD com microarquitetura Vega que será lançado no final deste ano e que contará com 32 GB de memória HBM2, além de contar com algumas novas instruções de deep learning. Agora, o driver de espaço do usuário RadeonSI Gallium3D para o OpenGL presente na pilha de gráficos Mesa possui suporte para a Vega 20.

Se você é usuário do driver oficial da AMD e não via a hora de atualizar para o Ubuntu 18.04 LTS, temos uma boa notícia para você: a AMD anunciou recentemente uma nova versão do Radeon Software for Linux (antes conhecido como AMDGPU-PRO), a 18.20, que chega trazendo suporte oficial para a versão de suporte a longo prazo (LTS) do sistema operacional da Canonical.

A Canonical lançou recentemente uma nova atualização de microcode para todos os usuários do Ubuntu com processadores AMD para resolver a conhecida vulnerabilidade de segurança Spectre, que foi divulgada publicamente no início deste ano e que afeta bilhões de dispositivos fabricados nas últimas duas décadas. Desenterrada por Jann Horn do Google Project Zero, a segunda variante (CVE-2017-5715) do Spectre é descrita como um ataque de injeção alvo de ramificação.

Ainda no mês de abril, relatamos o quanto a Radeon RX 580 já consegue oferecer um desempenho surpreendente na plataforma Linux com os drivers open source, estando bem competitiva com a GeForce GTX 1060. Contudo, as Radeon RX Vega ainda ficam um pouco atrás das suas concorrentes. Felizmente, o co-fundador do driver RADV, Bas Nieuwenhuizen, conseguiu adicionar uma nova otimização de desempenho paras as GPUs Vega.

O suporte para as novas APUs Ryzen na plataforma Linux tem sido um pouco confuso desde o lançamento destes processadores da AMD em fevereiro. Felizmente, com o tempo, várias correções de drivers chegaram para melhorar a estabilidade e o desempenho dessas APUs com núcleos de CPU Zen e gráficos Vega. Isso está cada vez mais claro especialmente com o Ryzen 5 2400G, que em testes recentes estava completamente estável e funcionando bem com as mais recentes tecnologias do Linux.

Se você é usuário Linux e possui uma APU AMD Kaveri, temos uma boa notícia para você: as melhorias mais recentes da pilha de gráficos Mesa para o driver AMDGPU agora renderão um desempenho muito melhor com esses chips      até duas vezes mais rápido em alguns casos! Confira agora mesmo alguns benchmarks com a APU AMD A10-7870K no Ubuntu 18.04.

A AMD publicou hoje, 15 de maio, seu grande conjunto de patches para o kernel Linux que trazem o suporte open source para a Vega 20 que, de acordo com alguns vazamentos, supostamente é uma GPU de 7nm e que pode ser 70% mais rápida do que a atual Radeon RX Vega 64. Espera-se que a Vega 20 ofereça até 32 GB de memória HBM2 e seja anunciada neste ano, mas há quem acredite que a GPU pode ser apenas mais indicada para deep learning e não focada como uma placa gráfica de jogos, isto é, pelo menos não inicialmente.