Depois de um mês e meio em desenvolvimento, foi lançado no último domingo (5) o Linux Kernel 5.1, que chega trazendo diversas melhorias e vários novos recursos, como é o caso do suporte para Intel HDCP (High-bandwidth Digital Content Protection) 2.2 e para a tecnologia de virtualização Intel GVT (iGVT, Intel Graphics Virtualization Technology) para Coffee Lake, a 8ª Geração de processadores da empresa.

Parece que os drivers de vídeo da Intel para Linux agora estão oficialmente prontos para lidar com os gráficos "Gen 11" encontrados, por exemplo, nos processadores Ice Lake e Elkhart Lake. Isso porque o mais recente código dos drivers para os gráficos Gen 11 destacam o suporte para o OpenGL e Vulkan como sendo um recurso completo.

Foi lançado no último sábado (5) o DXVK 1.1.1, que chega trazendo mais aprimoramentos, além de corrigir diversos problemas relatados pelos jogadores. Entre os destaques, estão otimizações no uso da VRAM, melhor consistência no frame time e correção para um problema que poderia levar o triple buffer a não funcionar corretamente, o que deve beneficiar Assassin's Creed Unity e outros jogos.

A Electronic Arts, também conhecida apenas como EA, juntou-se ao consórcio The Khronos Group para colaborar com a Vulkan, NNEF e glTF. Certamente será interessante ver se a empresa acabará lançando jogos com a Vulkan para o Windows e potencialmente também para a plataforma Linux, bem como até mesmo para o MacOS via MoltenVK.

A Red Hat tem uma nova logo, a primeira grande atualização da icônica marca Linux em quase 20 anos. A empresa, que foi vendida à IBM por US$ 34 bilhões no ano passado, revelou sua nova identidade corporativa em uma recente postagem no seu blog oficial antes esmo do evento Red Hat Summit 2019.

A Google lançou o Chrome OS 74 com uma longa lista de melhorias e uma das principais mudanças diz respeito à maneira como a plataforma se relaciona com os aplicativos do Linux. Com isso, a empresa conseguiu resolver um dos maiores problemas, que é a capacidade dos programas do sistema do pinguim de reproduzir áudio no Chrome OS.

Além disso, também está disponível o suporte a câmeras USB para o aplicativo Android Camera, o que tecnicamente significa que você é capaz de usar qualquer webcam USB com o aplicativo oficial de Câmera do sistema operacional móvel da empresa. Também há suporte para novos arquivos e pastas na raiz local "Meus arquivos", além de uma integração mais profunda com a Google, permitindo que os usuários visualizem seus aplicativos e buscas mais recentes, basta clicar na caixa de pesquisa.


O Chrome OS 74 também vem com melhorias significativas em termos de acessibilidade, pois isso se tornou um dos principais focos do Google como parte do desenvolvimento. A nova versão do sistema operacional oferece novas opções de desenvolvedor na página ChromeVox Options, permitindo que os desenvolvedores ativem recursos como registro de voz. Há também atualizações de segurança.

“O SafeSetID LSM foi adicionado ao Chrome OS e ao kernel Linux. Ele permite que os serviços do sistema gerenciem com segurança os usuários sob os quais seus programas são executados sem exigir privilégios poderosos do sistema. Isso melhora a segurança caso haja uma vulnerabilidade no serviço do sistema que possa ser explorada”, explica a Google.

O ChromeOS 74 também inclui alguns aprimoramentos que não são necessariamente visíveis no início, como é o caso dos ajustes visuais do Google Assistant, que agora vem com um novo efeito de desfoque de fundo, o que torna tudo mais moderno.

Mais detalhes você confere no anúncio oficial, clicando aqui.


FONTE: Softpedia9to5Google

A Purism, empresa por trás do Librem, laptop baseado em Linux, anunciou hoje um novo serviço que traz um conjunto de aplicativos focados em privacidade e segurança para Android, iOS e Linux. A plataforma não rastreia a atividade dos usuários, não exibe anúncios, nem analisa ou vende dados. Trata-se da suíte Librem One, que tem como objetivo oferecer alternativas para os aplicativos mais usados ​​em dispositivos móveis.

A Canonical anunciou na última terça-feira (30) que o próximo Ubuntu 19.10 já está com o seu ciclo de desenvolvimento aberto. Além disso, já estão sendo disponibilizadas builds diárias, que são imagens ISO criadas especialmente para aqueles que desejam testar a próxima versão do sistema operacional desde o início.

Foi anunciada no início da semana a versão final do tão aguardado Fedora 30 que, além de contar com diversos componentes atualizados, traz também vários novos recursos, otimizações e muitas outras melhorias para uma experiência mais rica com a distribuição Linux. Entre os destaques, está a possibilidade de instalar os ambientes gráficos DeepinDE e Pantheon.

Além de investir no "Iris", seu novo driver Gallium3D para OpenGL, bem como de continuar a amadurecer o driver Vulkan "ANV", a Intel continua trabalhando no seu driver OpenCL para Linux, chamado "NEO", que não recebe tanta atenção da comunidade, mas está começando a aparecer nos repositórios de distribuições Linux como o sucessor do antigo "Beignet".

Um novo driver open source criado pela NVIDIA deve chegar com o próximo Linux Kernel 5.2, mas não fique muito animado. Isso porque o driver, que está sendo chamado de "AltMode", não foi criado para lidar com o chip gráfico, mas para manipular dispositivos VirtualLink com as mais novas placas de vídeo RTX Turing que possuem conector USB Type-C.

A AMD já começou a implementar os primeiros códigos open source iniciais para suportar suas próximas GPUs Navi na plataforma Linux. Um dos primeiros componentes que recentemente recebeu alterações foi o backend do AMDGPU para o LLVM, com os novos commints fazendo referência a GFX10 (gfx1010), que representa a GPU Navi 10.

Dando sequência ao seu plano de suportar adequadamente os notebooks com gráficos híbridos rodando Linux, a NVIDIA vem trabalhando em uma nova extensão GLX (OpenGL Extension to the X Window System) para ajudar no suporte ao recurso "PRIME GPU offloading", onde vários fornecedores de GPU estão envolvidos e, portanto, diferentes implementações de drivers OpenGL estarão disponíveis.

Com o lançamento de hoje da GeForce GTX 1650, a NVIDIA aproveitou a ocasião para anunciar também mais uma nova versão do seu driver de vídeo, a 430.09, para a plataforma Linux, que também é o primeiro nesta nova série de drivers. Além disso, também há suporte para o Max-Q Design de ambas as GTX 1650 e GTX 1660 Ti.

Uma das mudanças mais interessantes que devem chegar com o próximo Mesa 19.1 é uma solução alternativa para que o launcher de jogos da Epic Games seja renderizado corretamente ao usar o OpenGL. Acontece que o launcher, que é apenas para Windows, pelo menos por enquanto, depende de um contexto principal do OpenGL 4.4.

O projeto de firmware/BIOS open source Coreboot finalmente recebeu o suporte inicial para CPUs AMD Zen graças aos engenheiros da Google com foco nas próximas APUs Picasso, tudo para preparar o caminho para um futuro Chromebook. Os processadores da AMD mais recentes suportados pelo Coreboot são os da família Stoney Ridge, APUs com gráficos GCN e dois núcleos Excavator.