O projeto "KWin-lowlatency" é um fork independente do gerenciador e compositor de janelas KWin, com o objetivo de fornecer menas lentidão e menor latência para uma experiência mais ágil com o ambiente gráfico KDE Plasma. O trabalho não envolve apenas correções para serem adicionadas ao projeto principal, mas sim uma refatoração do código interno de como o KWin decora a tela.

Foi lançada nesta quarta-feira (8) a atualização OTA-9 para o sistema operacional móvel Ubuntu Touch para todos os dispositivos Ubuntu Phone suportados, uma versão que adiciona principalmente várias melhorias, correções e um visual atualizado que consiste em novos símbolos e ícones de pastas no tema Suru para oferecer aos usuários uma melhor experiência.

O "D9VK", projeto baseado no DXVK que fornece uma camada de tradução do Direct3D 9 para a Vulkan, ganhou o seu primeiro lançamento para este projeto promissor para ajudar aqueles que querem executar jogos D3D9 mais antigos via Wine ou Proton. Com esta primeira versão, já é possível rodar "uma grande quantidade" de jogos do Direct3D 9 razoavelmente bem.

Enquanto o Ubuntu Touch, que continua sendo desenvolvido pela comunidade UBports, é um dos mais viáveis ​​e mais avançados sistemas operacionais de código aberto para smartphones baseados em Linux, parece que não haverá nenhum suporte a tempo para o lançamento do próximo smartphone Librem 5, da Purism.

No ano passado, em setembro, a Canonical anunciou que, graças a uma colaboração com a Microsoft, conseguiu lançar o Ubuntu 18.04 LTS (Bionic Beaver), a mais recente versão LTS do Ubuntu, como uma imagem de desktop otimizada para a galeria Hyper-V. Desta vez, a empresa anunciou que agora quem está disponível é o recém-lançado Ubuntu 19.04 (Disco Dingo).

O desenvolvedor e líder do DXVK, Philip Rebohle, está trabalhando em um novo experimento, chamado "DXVK-AGS", como um novo projeto de exploração para ver se faz sentido implementar o suporte ao AMD AGS SDK, o que pode ajudar a melhorar o desempenho de alguns jogos rodando em hardwares da AMD.

No ano passado, a Google trouxe o suporte para aplicativos do desktop Linux para o Chrome OS, recurso que tem como codinome "Crostini" e, apesar de ainda estar na fase beta na recém-lançada versão 75 do sistema operacional, já está bem popular, com um apelo especial entre os desenvolvedores. Contudo, parece que as coisas estão indo muito bem, já que a Google revelou que todos os Chromebooks lançados este ano estarão prontos para rodar apps do Linux.

A Red Hat anunciou hoje, 7 de maio, o Red Hat Enterprise Linux 8, que chega quase cinco anos após o lançamento da série Red Hat Enterprise Linux 7 como uma grande atualização para seu poderoso sistema operacional, pronto para empresas, ambientes de cloud e TI corporativa. As novidades incluem poderosas novas funcionalidades e otimizações que permitem que você possa executá-lo em qualquer ambiente, suportando qualquer carga de trabalho.

No seu último boletim mensal, o líder do projeto Linux Mint, Clement Lefebvre, lembrou à comunidade que a série Linux Mint 17.x chegou ao seu fim da vida útil e não terá mais suporte com atualizações de segurança ou de software. Lançada em 31 de maio de 2014, a série do sistema operacional era uma versão LTS (Long Term Support) que recebia patches de segurança e correções por cinco longos anos.

A Microsoft anunciou durante a sua conferência Build 2019 diversas algumas novidades envolvendo a plataforma Linux e uma delas foi a segunda versão do Windows Subsystem for Linux, que chega para trazer um aumento substancial no desempenho do sistema de arquivos e compatibilidade total com as chamadas do sistema.

Na manhã desta segunda-feira (6), durante a sua conferência para desenvolvedores Build 2019, a Microsoft anunciou o "Windows Terminal" como o mais novo recurso inspirado no Linux que chega ao Windows 10. O aplicativo foi projetado para ser o local central para acesso a ambientes como PowerShell, CMD e o Windows Subsystem for Linux (WSL).

Depois de um mês e meio em desenvolvimento, foi lançado no último domingo (5) o Linux Kernel 5.1, que chega trazendo diversas melhorias e vários novos recursos, como é o caso do suporte para Intel HDCP (High-bandwidth Digital Content Protection) 2.2 e para a tecnologia de virtualização Intel GVT (iGVT, Intel Graphics Virtualization Technology) para Coffee Lake, a 8ª Geração de processadores da empresa.

Parece que os drivers de vídeo da Intel para Linux agora estão oficialmente prontos para lidar com os gráficos "Gen 11" encontrados, por exemplo, nos processadores Ice Lake e Elkhart Lake. Isso porque o mais recente código dos drivers para os gráficos Gen 11 destacam o suporte para o OpenGL e Vulkan como sendo um recurso completo.

Foi lançado no último sábado (5) o DXVK 1.1.1, que chega trazendo mais aprimoramentos, além de corrigir diversos problemas relatados pelos jogadores. Entre os destaques, estão otimizações no uso da VRAM, melhor consistência no frame time e correção para um problema que poderia levar o triple buffer a não funcionar corretamente, o que deve beneficiar Assassin's Creed Unity e outros jogos.

A Electronic Arts, também conhecida apenas como EA, juntou-se ao consórcio The Khronos Group para colaborar com a Vulkan, NNEF e glTF. Certamente será interessante ver se a empresa acabará lançando jogos com a Vulkan para o Windows e potencialmente também para a plataforma Linux, bem como até mesmo para o MacOS via MoltenVK.

A Red Hat tem uma nova logo, a primeira grande atualização da icônica marca Linux em quase 20 anos. A empresa, que foi vendida à IBM por US$ 34 bilhões no ano passado, revelou sua nova identidade corporativa em uma recente postagem no seu blog oficial antes esmo do evento Red Hat Summit 2019.

A Google lançou o Chrome OS 74 com uma longa lista de melhorias e uma das principais mudanças diz respeito à maneira como a plataforma se relaciona com os aplicativos do Linux. Com isso, a empresa conseguiu resolver um dos maiores problemas, que é a capacidade dos programas do sistema do pinguim de reproduzir áudio no Chrome OS.

Além disso, também está disponível o suporte a câmeras USB para o aplicativo Android Camera, o que tecnicamente significa que você é capaz de usar qualquer webcam USB com o aplicativo oficial de Câmera do sistema operacional móvel da empresa. Também há suporte para novos arquivos e pastas na raiz local "Meus arquivos", além de uma integração mais profunda com a Google, permitindo que os usuários visualizem seus aplicativos e buscas mais recentes, basta clicar na caixa de pesquisa.


O Chrome OS 74 também vem com melhorias significativas em termos de acessibilidade, pois isso se tornou um dos principais focos do Google como parte do desenvolvimento. A nova versão do sistema operacional oferece novas opções de desenvolvedor na página ChromeVox Options, permitindo que os desenvolvedores ativem recursos como registro de voz. Há também atualizações de segurança.

“O SafeSetID LSM foi adicionado ao Chrome OS e ao kernel Linux. Ele permite que os serviços do sistema gerenciem com segurança os usuários sob os quais seus programas são executados sem exigir privilégios poderosos do sistema. Isso melhora a segurança caso haja uma vulnerabilidade no serviço do sistema que possa ser explorada”, explica a Google.

O ChromeOS 74 também inclui alguns aprimoramentos que não são necessariamente visíveis no início, como é o caso dos ajustes visuais do Google Assistant, que agora vem com um novo efeito de desfoque de fundo, o que torna tudo mais moderno.

Mais detalhes você confere no anúncio oficial, clicando aqui.


FONTE: Softpedia9to5Google

A Purism, empresa por trás do Librem, laptop baseado em Linux, anunciou hoje um novo serviço que traz um conjunto de aplicativos focados em privacidade e segurança para Android, iOS e Linux. A plataforma não rastreia a atividade dos usuários, não exibe anúncios, nem analisa ou vende dados. Trata-se da suíte Librem One, que tem como objetivo oferecer alternativas para os aplicativos mais usados ​​em dispositivos móveis.