Entenda por que o Ubuntu Convergence é melhor que o Continuum da Microsoft


O ambiente gráfico Unity 8 está sendo trabalhado para o Ubuntu 16.04 LTS e muito progresso tem sido feito. Uma das características mais esperadas, e na forma mais estável, é a convergência de plataformas. A Canonical não é a única empresa que está trabalhando para atingir esse objetivo, mas é a única que está fazendo a coisa certa. O conceito da Microsoft com o seu Continuum pode ser semelhante ao Ubuntu Convergence, mas eles são realmente muito diferentes.

Convergência de plataformas é uma característica muito complexa, não é apenas fazer um dispositivo móvel trabalhar como um PC. Na verdade, este é um dos resultados mais evidentes e interessantes, mas há pelo menos uma outra característica que não está recebendo atenção o suficiente.

Neste momento, apenas a plataforma Ubuntu Touch tem uma implementação estável do ambiente gráfico Unity 8 e o servidor de exibição Mir, mas um grande progresso foi feito para trazer os dois para a versão do SO Ubuntu para desktop. Uma vez que eles se tornem totalmente implementados, os desenvolvedores serão capazes de criar aplicativos que trabalham em ambas as plataformas, algo que é considerado uma grande conquista.

O objetivo é ter uma única base de código para ambos os sistemas e, eventualmente, construir um único sistema operacional que pode ser implantado tanto no desktop e em dispositivos móveis.

A Microsoft está tentando algo semelhante

Alguns dos usuários Linux devem ter notado que a Microsoft está trabalhando para implementar uma função semelhante sob o nome de Continuum, mas isso é uma abordagem um pouco diferente. O sistema operacional Windows para smartphone fica semelhante o suficiente com o desktop, mas a empresa está muito longe de ter um OS singular.

Quando um usuário conecta seu smartphone com Windows em um monitor, é exibida uma tela inicial "reforçada" e não completamente o sistema operacional. Também não é possível executar aplicativos tradicionais de desktop, e não há nenhuma indicação de que isso vai mudar, ou seja, não é um "PC completo".

A Motorola já tentou algo semelhante com dispositivo Atrix, que se transformaria em um desktop completo com Android, mas falhou. Como isso aconteceu em 2011, é possível que o mercado ou o hardware não estava pronto para a convergência de plataformas.

A principal diferença entre Ubuntu e Windows é o fato de que um projeto oferece a experiência de desktop completa e o outro apenas imita um PC. Não há nada de errado com que a Microsoft está fazendo ou tentando alcançar, mas dizendo que é o Continuum é semelhante ao Ubuntu Convergence é simplesmente errado.

Um dispositivo com o Ubuntu Touch fabricado pela Bq com suporte a convergência, ou seja, com a capacidade de se transformar em um PC, foi anunciado para 2016. Com um pouco de sorte e uma certa coordenação com a Canonical, podemos vê-lo a tempo para o lançamento do Ubuntu 16.04 LTS, em abril.


FONTE: Softpedia

COMENTÁRIOS