Últimas notícias

Já faz algum tempo que é possível fazer streaming de jogos usando o GeForce Now através do navegador no Linux, mas parece que a NVIDIA vai tornar isso um pouco mais oficial para o sistema do pinguim. Acontece que em certas plataformas, como Windows e macOS, a NVIDIA possui um aplicativo dedicado para que os jogadores possam usar o seu serviço de streaming de games.
Enquanto Metro Exodus já pode rodar no Linux através do Steam Play, 4A Games ainda está trabalhando em um port deste jogo popular para Linux, juntando-se aos títulos Metro 2033 e Metro Redux. A boa notícia foi divulgada pela própria empresa em seu artigo sobre o aniversário de 10 anos da série de jogos Metro.
O desenvolvedor Mike Blumenkrantz, que trabalhou durante anos no projeto Enlightenment enquanto era integrante do agora extinto grupo open source da Samsung, passou os últimos meses trabalhando nos gráficos do Linux, aproveitando seu tempo livre, já que esteve desempregado, para hackear o código do driver Zink Gallium3D, que permite a aceleração OpenGL genérica sobre a API gráfica Vulkan.
Embora a NVIDIA tenha criado sua própria extensão Ray Tracing para a Vulkan no Linux e Windows desde que as placas de vídeo GeForce RTX foram originalmente lançadas, a empresa está agora se movendo rapidamente para oferecer suporte para as novas extensões de Ray Tracing fornecidas pela especificação Vulkan 1.2.162, que será amplamente adotada pela indústria, bem como por conta dos jogos que começarão a usar o novo padrão da API gráfica.
No início deste ano, a Vulkan recebeu suporte "em forma provisória" para a tecnologia Ray Tracing, enquanto com a atualização da especificação Vulkan 1.2.162, lançada nesta segunda-feira (23), essa funcionalidade foi finalmente promovida a estável e pronta para amplo suporte da indústria.
Com o Wine tendo um ano de lançamentos de versões de desenvolvimento, que chegavam a cada duas semanas trazendo novos recursos e correções, os preparativos para a próxima versão estável do software, a 5.6, já devem começar em duas semanas, com o lançamento do Wine 6.0 sendo programado para o mês de janeiro.
A tempo para o final de semana, a Valve lançou nesta sexta-feira (13) mais uma nova versão do Proton, a 5.13-2, que já pode ser habilitada no Steam Play pelos jogadores. Como o seu próprio número de versão sugere, a ferramenta é baseada no Wine 5.13, que quando combinado com o DXVK e VKD3D-Proton, faz um ótimo trabalho ao permitir que os jogos modernos do Windows rodem no Linux.
A Valve continua trabalhando duro para aprimorar cada vez mais a plataforma Linux para rodar melhor os jogos do Windows, especialmente através do Steam Play (Proton). Mais recentemente, os desenvolvedores da empresa responsáveis pelas bibliotecas "DXVK" e "VKD3D-Proton", que permitem rodar o Direct3D sobre a Vulkan, estão trabalhando em uma nova extensão Vulkan para melhorar a execução de títulos desenvolvidos com o DirectX.
Uma nova versão beta do cliente Steam foi lançada nesta sexta-feira (13), que chega para melhorar o suporte do próprio Steam Input para lidar melhor com os novos controles dos consoles de próxima geração. De acordo com as notas de lançamento, agora há suporte inicial para o DualSense, do PlayStation 5 (PS5), com alguns recursos avançados (trackpad e giroscópio) não sendo suportados atualmente.
A Valve anunciou recentemente o Steam Playtest, recurso integrado ao cliente Steam que permite aos desenvolvedores convidar usuários para testar os seus jogos sem precisar lidar com códigos ou listas de emails externas. Ainda, segundo a empresa, é possível controlar quantos usuários terão acesso, quando adicionar mais testadores e quando os testes começam e terminam.
Não é comum vermos jogos do Windows rodando no Linux em notebooks equipados com chip Qualcomm, pois seria necessário usar soluções como o Hangover para executar títulos do Windows x86_64 em dispositivos ARM. Felizmente, isso parece estar mudando, com o "Turnip", driver Vulkan disponível no Mesa, recebendo um recurso necessário para ser capaz de executar o DXVK com o nível de recursos do Direct3D 10_1 (v10.1).
Os desenvolvedores do KDE Plasma, popular ambiente gráfico entre os usuários Linux, estão trabalhando em um novo e moderno monitor do sistema, que está sendo construído usando a estrutura de interface moderna e responsiva Kirigami. De acordo com Arjen Hiemstra, que encabeça a iniciativa, a ideia inicial era apenas criar um "novo conjunto de widgets para monitorar o uso de recursos do sistema".
Foi lançado recentemente o Raspberry Pi 400, dispositivo que permite que você tenha um computador dentro de um teclado compacto. "Sob o capô", está uma versão mais aprimorada do Raspberry Pi 4, que foi lançado no ano passado. Além disso, também estão disponíveis portas, slots e expansões para que seja possível conectar mouse, monitor, cabo de rede ou o que você possa precisar para ter uma experiência de desktop completa.
A fabricante Fxtec — estilizado como “F(x)tec” —, sediada no Reino Unido, iniciou uma campanha no IndieGoGo para promover e financiar o desenvolvimento do seu smartphone Pro1-X, que conta com um teclado QWERTY físico deslizante de 64 teclas (retroiluminadas), que fica localizado atrás da sua tela AMOLED de alta resolução de 5,9 polegadas, projetado para uso quando o dispositivo está no modo paisagem, uma verdadeira nostalgia para quem é da época do Nokia N900.
Foi lançado recentemente o Pop!_OS 20.10, que como o seu próprio número de versão sugere é baseado no mais recente Ubuntu 20.10, o que permite que o sistema operacional possa herdar todos os recursos básicos encontrados atualmente no Ubuntu, incluindo o ambiente gráfico GNOME 3.38, Linux Kernel 5.8, aplicativos atualizações e updates de segurança durante os próximos nove meses.
Com a disponibilidade (limitada) atual da GeForce RTX 3070, foi lançado na última quinta-feira (29) o driver NVIDIA 455.38 para a plataforma Linux, que chega trazendo suporte para esta nova placa de vídeo com arquitetura Ampere, além de alguns novos recursos, como é o cado da compatibilidade com o recurso AMD SME (Secure Memory Encryption). Ter suporte ao AMD SME permite que o módulo de kernel do driver NVIDIA agora possa funcionar corretamente em sistemas AMD EPYC onde a criptografia de memória segura está habilitada. Isso corrige alguns problemas envolvendo dados de memória RAM criptografados com o módulo de kernel NVIDIA em versões anteriores com este recurso de segurança. Além disso, também há melhorias no suporte para o uso de monitores externos em notebooks com gráficos híbridos, correção para a API gráfica Vulkan e para uma regressão de desempenho que afetou alguns casos de uso de extensão X11 RENDER. Mais detalhes sobre o driver NVIDIA 455.38 para Linux você encontra no site oficial da NVIDIA. FONTE: Phoronix