Fundador da Canonical, Mark Shuttleworth, fala sobre o futuro do Ubuntu


Durante a conferência Ubuntu Online Summit 2016, que teve início no dia 3 de maio e terminou na última quinta-feira (05) Mark Shuttleworth, fundador da Canonical, participou de uma série de perguntas e respostas durante a sessão "Mark Shuttleworth's Q&A" onde ele revelou alguns detalhes sobre o futuro do Ubuntu, além de, claro, tirar dúvidas como, afinal, o que aconteceu com o Ubuntu TV, Ubuntu Watch e o que ele achou da MWC (Mobile World Congress) deste ano. Confira!

Será que vamos ver os Ubuntu Phones em lojas físicas de varejo nos próximos 12 meses?

Mark Shuttleworth: Eu não quero comentar sobre cronogramas. Nós os vemos chegando lá. Também estamos muito focados em expandir lentamente para que o Ubuntu seja facilmente disponível, porque sabemos que estamos em uma curva e, durante esse período, temos que crescer em integridade, acabamento e aperfeiçoar a experiência [...] tornando-se relevante para um público mais vasto.

Sabemos que existem operadoras que querem nos colocar em lojas de varejo em alguns grandes mercados. Mas não pretendemos seguir adiante, pois não acreditamos que o produto está pronto para esse nível de audiência.

Agora o meu foco está em generalizar a experiência do telefone e do tablet em uma experiência de PC, de modo que eu — e você e muitos de nós — possa executar o Unity 8 no desktop. Nós não estamos lá ainda. Eu estou esperando o sinal da equipe da versão do Ubuntu para desktop para dizer que é bom o suficiente.

O próximo passo a partir daí é chegar a uma versão snap completa do laptop. Nesse ponto, nós realmente teremos muito mais controle sobre a segurança [...] então daremos o empurrão final para a chegada no varejo, porque nós vamos ter realmente uma excelente história de convergência, uma excelente história de segurança, uma excelente história de atualização.

Onde você espera que o Ubuntu vai estar daqui a 5 anos e quais são as grandes inovações tecnológicas que você espera ver nos próximos 10 anos?

Mark Shuttleworth: No momento, eu acho que nós vemos três campos muito distintos na computação:
  1. Computação pessoal - convergindo com mobile
  2. A computação em nuvem - evolução do centro de dados
  3. Cloud distribuída - mais como um milhão de pedaços de vidro; espalhados por todo o mundo (IoT/Drones/Switches/Robots)
Hoje em dia, 2/3 da computação em nuvem executa o Ubuntu e eu acho que é uma situação saudável; há uma plataforma liderando que todo mundo já conhece e outras pessoas podem precisar usar.

Eu tenho certeza que dentro de 5 anos nós vamos ser dois terços do mercado da Internet das Coisas - o que é ótimo. É ótimo para os desenvolvedores do Ubuntu, porque eles vão ser capazes de escrever novos aplicativos para toda essa nova classe tão facilmente como eles escrevem aplicativos para nuvem hoje.

Mas eu acho que a computação pessoal será interrompida novamente. Se tivermos sorte, e nós estamos no lugar certo, no momento certo, com a comunidade certa, e nós já temos um histórico de convergência, então eu acho que podemos ser a liderança para a próxima onda da computação pessoal.

O que você achou da MWC deste ano?

Mark Shuttleworth: Tivemos uma incrível MWC. Vimos que em todas as frentes: o nosso stand teve telefones e tablets de um lado, teve cloud e infraestrutura de cloud do outro lado, e logo em seguida, a Internet das Coisas.

O que podemos fazer no próximo ano para cobrir a conferência? Eu, definitivamente, acho que vamos ver um crescimento enorme no lado da Internet das Coisas. É a coisa quente: Ubuntu está lá, e é o que todo mundo está usando para inovar. Vamos ver mais e mais histórias reais de produção das pessoas com milhões de robôs, carros ou drones [etc] e que vai passar de prova de conceito à produção.

Quem sabe o que acontece na computação pessoal. Nós temos pessoas que querem nos colocar em uma loja de varejo, nós só queremos ser cuidadosos sobre quando o produto está pronto.

Qual é a prioridade do Unity 8 em relação ao servidor, hypervisor, snappy e etc?

Mark Shuttleworth: Você será capaz de obter o Ubuntu 16.10 com o Unity 8, assim como você pode obter o Ubuntu 16.04 com MATE, — nota do editor: que Mark pronuncia como 'm8' — ou KDE ou GNOME. Ele vai estar lá, vai ser uma opção, e a equipe que está trabalhando está empenhada em fazer uma opção de primeira classe.

Para as pessoas que trabalham na nuvem, o Unity 8 não é uma prioridade. Nós temos que ser assim; temos que separar nossas áreas de interesse para que possamos ter equipes que apenas se preocupem em fazer uma coisa muito, muito bem. Para a equipe do desktop, o Unity 8 que é a sua principal prioridade.


Eu quero executar o Unity 8 no meu desktop com o Ubuntu 16.10. Eu tenho certeza que vai ser uma experiência frágil e viscosa. Vai ser o 1.0 para o nosso novo ambiente gráfico. Para a nossa nova história.

O que aconteceu com o Ubuntu TV?

Mark Shuttleworth: O que aconteceu é que fizemos o trabalho suficiente para ser confortável que a linha de base da experiência estava lá, mas não conseguimos encontrar um fabricante de TV que queria colocar um chip poderoso o suficiente em uma TV.


Na época, as smart TVs que estavam sendo feitas, os fabricantes estavam colocando os chips mais fracos possíveis. Tivemos de tomar uma decisão tática. Queremos ter uma convergência completa em tudo, incluindo a experiência de TV.

Haverá um Ubuntu Watch?

Mark Shuttleworth: Não, eu não penso assim. O relógio é fundamentalmente um dispositivo complementar. É provável que seja melhor feito como uma experiência dispositivo dedicado. Que eu acho que é consistente com o que temos visto em outros lugares. Assim, a minha intuição é não.

Você pode muito bem ver relógios rodando Ubuntu, mas eles vão estar usando o núcleo do Ubuntu e Mir como uma camada de gráficos dentro de uma interface dedicada. O Ubuntu Core é pequeno o suficiente para ser executado em um relógio.



Houve relógios de grandes marcas que realmente rodaram o Ubuntu Core sob o capô. Quando é que um deles vão entrar em produção? Não cabe a mim dizer - mas não será com o Unity 8 e não farão parte da experiência de convergência.

É possível que, no futuro, o Ubuntu não precise mais do Debian?

Mark Shuttleworth: Não. Eu vejo o Ubuntu e Debian como duas metades de uma mesma moeda. Eu nos vejo como a outra metade da árvore. Seria bobagem dos ramos dizer que eles não precisam mais das raízes.

Existem planos para remover a parte Android do Ubuntu Touch?

Mark Shuttleworth: Sim. É um pouco constrangedor para nós dizer que existe... Isso não é uma pilha limpa.

Usar partes da pilha do kernel e drivers do Android é uma maneira eficiente para que possamos começar a funcionar. Eu acho que é realmente importante para nós mostrar que podemos oferecer uma melhor experiência para o usuário final, maior segurança e uma melhor experiência para o fabricante do dispositivo se é uma pilha limpa, todos de código aberto, todos os snaps...

O constrangimento não é porque é Android; não é uma coisa tribal. É apenas porque temos que integrar algo que é, em si, imóvel. Isso é um pouco complicado - ou pior caso pudesse se mover sem que estejamos conscientes de que poderia mover-se!

Os caras do Android tem feito um grande trabalho de construção desse ecossistema. Nós não poderíamos fazer metade das coisas que fazemos hoje se não fosse por isso.

....

Para assistir a sessão "Mark Shuttleworth's Q&A" completa e conferir todas as perguntas feitas para Mark Shuttleworth, clique aqui.


FONTE: OMG! Ubuntu!

COMENTÁRIOS