O Ubuntu 17.10 está corrompendo o BIOS de alguns notebooks Lenovo


Se você possui ou está pensando em adquirir um notebook da Lenovo e quer instalar o Ubuntu 17.10, temos uma má notícia para você: segundo um relatório de bug arquivado no Launchpad, a versão mais recente do sistema operacional da Canonical (e distribuições Linux derivadas) está corrompendo o BIOS em uma série de laptops da Lenovo, incluindo a linha Lenovo Yoga.

Os usuários afetados afirmam que, depois de instalar o Ubuntu 17.10 em seus laptops, o BIOS no dispositivo não é mais capaz de salvar configurações (como alterar a ordem de boot, por exemplo), que as alterações realizadas são reiniciadas após uma reinicialização da máquina, alguns já não conseguem  sair do BIOS e outros usuários relatam não conseguirem iniciar um dispositivo USB bootável.

A causa do problema parece estar relacionada com os drivers Intel SPI presente do Linux Kernel 4.13 do Ubuntu 17.10. Naturalmente, as pessoas não estão satisfeitas com o que aconteceu, fazendo com que a Canonical retirasse os links para download do sistema operacional do seu site.

Entre os modelos de notebooks da Lenovo afetados pelos problema, estão: Lenovo B40-70, Lenovo B50-70, Lenovo B50-80, Lenovo Flex-10, Lenovo G40-30, Lenovo G50-70, Lenovo G50-80, Lenovo S20-30, Lenovo U31-70, Lenovo Y50-70, Lenovo Y70-70, Lenovo Yoga Thinkpad (20C0), Lenovo Yoga 2 11" - 20332, Lenovo Z50-70, Lenovo Z51-70 e Lenovo IdeaPad 100-15IBY. O laptop Toshiba S50t-B também parece ser afetado.

A Canonical está ciente do problema

A Canonical está ciente deste problema e está planejando desativar os drivers Intel SPI em suas futuras compilações do kernel. A equipe de habilitação de hardware da Canonical já verificou que isso funciona em torno do problema, mas não oferece nenhum benefício se o BIOS já estiver corrompido. Além disso, a empresa está preparado novas ISOs do sistema operacional para download.

Mais detalhes sobre o problema você encontra neste relatório de erro no Launchpad.


FONTE: PhoronixLaunchpad
IMAGEM: OMG! Ubuntu!

Comentários