Mostrando postagens com marcador Internet. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Internet. Mostrar todas as postagens

A Mozilla lançou oficialmente seu serviço VPN em um total de seis países diferentes, mas a fundação promete expandi-lo para mais regiões e plataformas nos próximos meses. Nesse momento, apenas os EUA, Reino Unido, Canadá, Nova Zelândia, Cingapura e Malásia possuem acesso à novidade. Além disso, é necessário também estar executando Windows, Android ou iOS (ainda em versão beta).

No mês passado, a Disney lançou seu novo serviço de streaming de conteúdo online nos EUA e Canadá, registrando cerca de 10 milhões de assinantes apenas no primeiro dia. Contudo, muitos usuários Linux ficaram desapontados por saber que o Disney+ simplesmente não funcionava, embora serviços rivais, como Netflix e o Amazon Prime, funcionassem sem problemas no Linux.

A maioria dos principais serviços de streaming de conteúdo online funcionam no Linux através dos navegadores Google Chrome e Firefox "graças" ao plugin "Widevine", ou seja, trata-se do principal componente que permite que os usuários Linux acessem conteúdo no Netflix, Amazon Prime e muitos outros. No entanto, o Disney+ ainda não entra nessa lista.

A Google revelou na última terça-feira (15), durante seu evento Made by Google ’19, onde são apresentadas diversas novidades da companhia, que o Stadia, seu serviço de streaming de jogos que faz uso do Linux e Vulkan, será lançado oficialmente em 19 de novembro, mas apenas para aqueles que fizeram a pré-compra do Founder's Edition ou Premiere Edition.

Foi oficialmente lançado o InSync 3, que chega trazendo um novo mecanismo de sincronização, chamado "Core 3", reconstruído a partir do zero em Python 3 que permitirá que os desenvolvedores possam adicionar mais rapidamente novos recursos, bem como acelera o processo de adição de novas correções e permite que novos lançamentos cheguem mais cedo.

A Purism, empresa por trás do Librem, laptop baseado em Linux, anunciou hoje um novo serviço que traz um conjunto de aplicativos focados em privacidade e segurança para Android, iOS e Linux. A plataforma não rastreia a atividade dos usuários, não exibe anúncios, nem analisa ou vende dados. Trata-se da suíte Librem One, que tem como objetivo oferecer alternativas para os aplicativos mais usados ​​em dispositivos móveis.

A Canonical anunciou recentemente que o Amazon Web Services (AWS) IoT Greengrass agora está disponível como um Snap para Linux. Desenvolvido pela Amazon para fabricantes de dispositivos IoT, o software amplia continuamente o AWS para dispositivos de ponta, permitindo que essas empresas usem a nuvem para armazenamento em cache de dados, computação local, sistema de mensagens e sincronização para dispositivos IoT.

Agora ficou ainda mais fácil compartilhar arquivos de forma totalmente segura com seus amigos e familiares online — tudo graças a Mozilla, criadora de um dos navegadores mais populares da atualidade, o Firefox. Trata-se do "Firefox Send", que é descrito pela organização sem fins lucrativos que defende a web gratuita como um serviço de transferência de arquivos gratuito, de código aberto e totalmente criptografado.

A Microsoft lançou o novo Skype para Web, permitindo que os usuários conversem com seus contatos sem a necessidade de instalar um cliente de desktop. Enquanto isso é possível usando nada mais do que um navegador, a nova versão do serviço de mensagem e vídeo conferência da Microsoft vem com algumas limitações inesperadas.

Se você procura um lugar para tirar suas dúvidas sobre Linux, além de poder ter acesso a dicas envolvendo a plataforma, ou se você deseja ajudar outras pessoas, compartilhando conhecimento sobre, por exemplo, sua distribuição Linux favorita, você precisa conhecer o fórum Diolinux Plus.

Mailspring é um cliente de email gratuito, de código aberto e multiplataforma. Trata-se de um fork do Nylas Mail criado por um dos desenvolvedores originais do aplicativo, porém, com um mecanismo de sincronização nativo escrito em C++, menos dependências e um desempenho bem melhorado. Além disso, a aplicação está com o seu desenvolvimento sempre ativo, diferente da solução apresentada pela Nylas, onde a empresa está "atrasando o desenvolvimento" do seu software.

A Adobe revelou hoje (25) os seus planos para encerrar o desenvolvimento do Flash Player, que deve receber suporte oficial até o final de 2020. De acordo com a empresa, a decisão foi tomada "em favor de tecnologias abertas" e mais modernas, como é o caso do HTML5, WebGL e WebAssembly. Contudo, este provavelmente não é o principal motivo, visto que praticamente todas as principais plataformas e navegadores do mercado abandonaram o Flash Player pelo HTML5, fazendo com que a empresa enterre de vez seu plugin.

A integração nativa com o Google Drive finalmente chegou ao ambiente gráfico KDE Plasma 5 graças aos componentes kaccounts-provider 17.04 e kio-gdrive 1.2, que estão presentes na recém-lançada suíte de softwares KDE Applications 17.04. A novidade, que permite que os usuários acessem suas contas do serviço de armazenamento de arquivos da gigante das buscas, foi anunciada recentemente por Elvis Angelaccio, desenvolvedor no projeto KDE.

No ano passado, o navegador Mozilla Firefox adicionou suporte aos módulos DRM necessários para reproduzir conteúdos premium de serviços de streaming usando HTML5, como é o caso da Netflix. Contudo, isso ainda não era o suficiente, já que os usuários Linux tinham que enganar o sistema da Netflix, alterando o user-agent do browser, fingindo estar usando o Google Chrome. Agora, finalmente, o serviço de streaming reconhece o Firefox no Linux como suportado.

Se você é daqueles que ama o navegador da raposa de fogo, temos uma boa notícia para você. A próxima versão do Firefox, a 49, trará suporte oficial no sistema do piguim para o serviço de streaming de filmes e séries mais famoso do mundo, o Netflix. Além disso, não será necessário adicionar nem um plugin no browser. Quem também deve se beneficiar com a novidade será os usuários do Amazon Prime Video, entre outros serviços.

A Mozilla revelou recentemente que decidiu remover o Hello "automaticamente quando você atualizar para a versão 49 do Firefox -- não será necessário realizar nenhuma ação extra". O recurso, que é baseado na API WebRTC, foi introduzido como parte no navegador em dezembro de 2014. Mas, atualmente, trata-se apenas de um add-on que já vem pré-instalado com o browser.